Fraude no WhatsApp: saiba como proteger sua empresa de golpes

Fraude no Whatsapp

Você consegue identificar uma fraude no WhatsApp? A grande verdade é que a rede social de mensagens instantâneas já está tão inserida dentro da sociedade, que se tornou algo trivial. Por isso, muitas vezes, as pessoas esquecem os perigos que envolvem o uso do aplicativo. A maioria já ouviu ou leu alguma notícia sobre algum tipo de fraude. Mas são poucos os que conhecem os golpes executados e sabem como escapar deles.

Ao longo deste post, você vai conferir as principais fraudes no WhatsApp e aprender como evitar possíveis invasões na sua conta. Boa leitura!

Fraude no WhatsApp: muitas novidades e alguns perigos

Nas principais plataformas, como Facebook, Instagram e WhatsApp, o número de usuários só cresce anualmente. Tanto é verdade que soa até estranho quando se encontra alguém que não use pelo menos uma plataforma de compartilhamento de imagens, vídeos, mensagens e documentos. Apenas no Brasil, o aplicativo de troca de mensagens mais utilizado, o WhatsApp, tem aproximadamente 120 milhões de adeptos. No mundo são mais de 2 bilhões.

Criado em 2009 por Brian Acton e Jan Koum, o WhatsApp serviu como alternativa para as antigas mensagens SMS. Doze anos depois da sua criação, muita coisa mudou. Com uma população de usuários maior que a de muitos países, o Facebook (atual proprietário do WhatsApp) deu atenção especial ao aplicativo. A bigtech realizou uma verdadeira transformação na plataforma, adicionou funcionalidades e fez alterações nas suas políticas de privacidade.  

Hoje esse app é valiosíssimo. Deixou de ser apenas uma forma das pessoas criarem grupos e compartilharem suas fotos e vídeos. O simpático “zap zap” agora é um meio no qual as pessoas podem realizar diversas negociações. E aí mora o perigo. 

Essa nova modalidade de pagamento virtual poderá ser feita usando cartões de crédito e débito. Uma grande aposta do Facebook, proprietário do WhatsApp, para entrar no bilionário mercado de pagamentos em crédito. No entanto, muitas ponderações estão sendo feitas. É seguro? Há risco de fraude no WhatsApp

Fraude no WhatsApp: quais os riscos?

Sim, tudo ficou mais fácil. Ter a possibilidade de efetuar compras de bens e serviços  pode movimentar o comércio online. As negociações ficaram mais ágeis. Contudo, junto com as novas funcionalidades do app surgem também os fraudadores. 

Hackers e estelionatários se desdobram. Eles são criativos e desenvolvem técnicas e estratégias de fraude no WhatsApp e em outros canais. Por isso, é preciso atenção redobrada, principalmente ao efetuar negociações com pessoas que você não conhece e dificilmente poderá localizar. 

O intuito da instituição é negociar seus produtos e serviços com bons clientes evitando prejuízos como em casos de chargeback, ou seja, nos cancelamentos de venda com cartão. 

Para minimizar os riscos é fundamental identificar alguns perigos. Veja agora quais são os tipos mais comuns de golpes e como escapar das fraudes no WhatsApp.

1- Número roubado

Neste caso, o golpista rouba o número da pessoa bloqueando a linha original. Ele se passa pela vítima para extorquir dinheiro dos contatos dela ou efetuar compras. 

Antes, o fraudador compra um chip novo e entra em contato com a operadora se passando pelo verdadeiro dono do chip. Ele informa que o perdeu ou teve seu aparelho roubado. A central reativa o número antigo no chip novo. Então, o golpista tem acesso a todos os contatos da vítima. 

Pronto! Agora, basta entrar em contato com amigos, familiares e empresas para aplicar o golpe. Como a foto e o número são de uma pessoa supostamente real e muitas vezes um antigo cliente, quem irá duvidar?

Como evitar: a análise fingerprint é uma boa solução para empresas detectarem e diferenciarem com maior rapidez e segurança os bons e maus clientes. Mesmo que os dados sejam idênticos ao do usuário verdadeiro, a análise fingerprint consegue identificar o padrão comportamental do dispositivo.

2- Recarga ilimitada

Essa fraude ocorre quando a vítima cai na tentação. Os fraudadores oferecem planos de recarga para celular ilimitados com valores muito abaixo dos cobrados no mercado. Muitas vezes, são oferecidos serviços de IPTV para o usuário ter à disposição canais de TV aberta e fechada. “Cansado de pagar caro pela sua Netflix? Temos a solução!”  Mentira: é golpe.

A ideia é fazer o usuário baixar um app e quando isso acontecer, compartilhar seus dados. Informações pessoais, do cartão de crédito, imagens dos documentos e até da própria vítima. Com as informações nas mãos, o golpista pode abrir contas, comprar online e ainda extorquir dinheiro das vítimas. 

Como evitar: ativar o duplo fator de autenticação (sempre) evitando acesso ao seu aparelho. Verificar a idoneidade de links e aplicativos que serão baixados. Quando a esmola for demais, simplesmente desconfie.

3 – Site Falso

Sabe aquelas correntes que você recebe no WhatsApp para compartilhar com todos os contatos? Atualmente, essa técnica de distribuição de informação é usada para o famigerado phishing.

Os fraudadores usam datas especiais com a Black Friday, por exemplo, para distribuir correntes no WhatsApp, com sites falsos que trazem promoções “imperdíveis”. Ao clicar no link da promoção e entrar nos supostos sites, a vítima tem a opção de deixar seus dados para realizar uma compra que, na verdade, nunca irá receber. Já os seus dados foram “pescados” pelos bandidos com sucesso.

Como evitar: serenidade, paciência e um pouquinho de pesquisa. Entregar seus dados para qualquer site pode custar muito. Já pesquisar a reputação da empresa vendedora não vai custar nada. Plataformas como consumidor.gov.br e Reclame Aqui são ótimas para atestar a reputação das empresas. Antes de fechar negócio, pesquise. 

4- WhatsApp clonado

Esse golpe já é um clássico. O golpista finge ser alguma empresa conhecida da vítima. O criminoso entra em contato com o usuário por meio de mensagem no WhatsApp ou ligação, informando sobre um possível erro ou oferecendo algum prêmio. 

Depois pede à vítima que envie o código de verificação encaminhado por SMS, para validar as informações. Em posse do código enviado pela vítima, o fraudador consegue clonar o WhatsApp da pessoa. Agora como um clone, o golpista pode comprar bens e serviços se passando por outra pessoa. Para se ter uma noção do estrago deste tipo de fraude, somente no Brasil 12 mil pessoas têm seu WhatsApp clonado por dia.

Como evitar: O fraudscoring é um recurso abastecido pelos registros deixados pelos clientes, antigos ou novos. Embora sejam básicos, dados como nome completo, CPF e endereço são importantes para realizar uma análise minuciosa e o cruzamento de informações usando uma solução tecnológica. O fraudscoring usa uma combinação de filtros para identificar bons clientes e fraudadores.

Para evitar fraude no WhatsApp: cuidados sim, mas sem pânico 

Você deve proteger os dados da sua empresa da melhor forma possível. Mas isso não quer dizer que você não pode aproveitar os avanços da tecnologia para movimentar seu negócio e suas vendas. 

Além da atenção e cuidados básicos que vão proteger suas contas e informações, existem empresas especializadas na segurança de dados e com sistemas antifraudes robustos. Nós, da B2e Group, somos capazes de garantir a maior proteção aos dados sigilosos diminuindo riscos de prejuízos financeiros. 

Diante dos vazamentos de informações dos usuários das redes sociais, dos perigos de uma fraude no WhatsApp e outros ataques cibernéticos, é importante que você comece a proteger os dados da sua empresa contando com um parceiro especializado no assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin

Outros Posts

B2e Cases – Camil

Dando sequência no nosso projeto, o B2e Cases, hoje vamos falar de outros segmentos: Grãos, açúcar e pescados.  E não tem como falarmos desses segmentos

Leia mais »

Nos Envie Uma Mensagem