Você sabe qual o ciclo de Fraude no E-Commerce?

download

Você sabe qual o ciclo de Fraude no E-Commerce?

Em uma compra presencial, onde você como lojista esta vendo o cliente, seu cartão de crédito, documentos, etc, de uma certa forma lhe dará maior sensação de segurança. O cliente vai assinar o canhoto de compra OU DIGITAR SUA SENHA, e em caso de um Chargeback (não reconhecimento de compra), o banco assume o prejuízo.

Mas e no E-Commerce, como isso funciona? Vamos entender o processo.

1- O cyberfraudador efetua a compra em sua loja, com dados de terceiros- CPF e cartão de crédito por exemplo;

2- O banco verifica se o cartão tem crédito, e libera o valor;

3- A loja recebe a informação, libera a compra e a entrega ao fraudador;

4- O verdadeiro dono do cartão ao ver a compra em sua fatura, contesta junto a administrado do cartão por não reconhecer a mesma e,

5- A loja é comunicada e fica com o prejuízo da venda fraudulenta.

Mas ai você pode se perguntar- Por que o banco também não assume o Chargeback nesse caso?

O banco por pratica não assume Chargeback de vendas não presenciais. Por este motivo existem no mercado

soluções que podem lhe auxiliar nessa questão, analisando esses pedidos e controlando a fraude dentro de sua loja virtual.

Escolha a que mais se adeque ao seu negócio, e não tenha medo de vender![:en]download

Você sabe qual o ciclo de Fraude no E-Commerce?

Em uma compra presencial, onde você como lojista esta vendo o cliente, seu cartão de crédito, documentos, etc, de uma certa forma lhe dará maior sensação de segurança. O cliente vai assinar o canhoto de compra OU DIGITAR SUA SENHA, e em caso de um Chargeback (não reconhecimento de compra), o banco assume o prejuízo.

Mas e no E-Commerce, como isso funciona? Vamos entender o processo.

1- O cyberfraudador efetua a compra em sua loja, com dados de terceiros- CPF e cartão de crédito por exemplo;

2- O banco verifica se o cartão tem crédito, e libera o valor;

3- A loja recebe a informação, libera a compra e a entrega ao fraudador;

4- O verdadeiro dono do cartão ao ver a compra em sua fatura, contesta junto a administrado do cartão por não reconhecer a mesma e,

5- A loja é comunicada e fica com o prejuízo da venda fraudulenta.

Mas ai você pode se perguntar- Por que o banco também não assume o Chargeback nesse caso?

O banco por pratica não assume Chargeback de vendas não presenciais. Por este motivo existem no mercado

soluções que podem lhe auxiliar nessa questão, analisando esses pedidos e controlando a fraude dentro de sua loja virtual.

Escolha a que mais se adeque ao seu negócio, e não tenha medo de vender![:es]download

Você sabe qual o ciclo de Fraude no E-Commerce?

Em uma compra presencial, onde você como lojista esta vendo o cliente, seu cartão de crédito, documentos, etc, de uma certa forma lhe dará maior sensação de segurança. O cliente vai assinar o canhoto de compra OU DIGITAR SUA SENHA, e em caso de um Chargeback (não reconhecimento de compra), o banco assume o prejuízo.

Mas e no E-Commerce, como isso funciona? Vamos entender o processo.

1- O cyberfraudador efetua a compra em sua loja, com dados de terceiros- CPF e cartão de crédito por exemplo;

2- O banco verifica se o cartão tem crédito, e libera o valor;

3- A loja recebe a informação, libera a compra e a entrega ao fraudador;

4- O verdadeiro dono do cartão ao ver a compra em sua fatura, contesta junto a administrado do cartão por não reconhecer a mesma e,

5- A loja é comunicada e fica com o prejuízo da venda fraudulenta.

Mas ai você pode se perguntar- Por que o banco também não assume o Chargeback nesse caso?

O banco por pratica não assume Chargeback de vendas não presenciais. Por este motivo existem no mercado

soluções que podem lhe auxiliar nessa questão, analisando esses pedidos e controlando a fraude dentro de sua loja virtual.

Escolha a que mais se adeque ao seu negócio, e não tenha medo de vender!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe:

Outros Posts

Pedidos rejeitados indevidamente

Pedidos rejeitados indevidamente são aqueles cujo cliente, que teve o pedido rejeitado, mantem histórico positivo no mercado após ter sido rejeitado em sua empresa. Frequentemente

Leia mais »